Feeds:
Posts
Comentários

[Continuação do post 3a. Semana de Empreendedorismo da FGV – Palestras Parte 1]

A outro palestra que assisti (parcialmente), Os Reis da Franquia, contou com Alberto Saraiva do Habib’s, Henrique Ribeiro do Fran’s Café e Sergio Milano da Nobel.

Na verdade, só consegui assistir integralmente à apresentação do Sergio Milano, ex-aluno da escola como ele mesmo falou. Aliás, Uma excelente apresentação.

Sergio é neto do fundador e assumiu a empresa depois de trabalhar em outras empresas, fazendo-a crescer de 4 lojas próprias para 180 lojas do que ele chama de Nobel Franchising Ventures, uma incubadora de franquias que ainda conta com outras marcas como Benedixt (design e decoração), Zastras Brinquedos, Vanilla Café, entre outras.

A idéia básica é que a Nobel Franchising, focada em estruturação e operação de franquias, associa-se a especialistas em segmentos para criar e gerenciar as marcas. Aliás, é a mesma estratégia seguida pela escola profissionalizante Microlins, que criou uma holding de franquias da qual também faz parte o Instituto Embelleze.

Consolidação acontecendo também no setor de franchising, fique ligado!

Comentei aqui sobre o evento do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios (CENN) da FGV e tinha a intenção de fazer uma cobertura online, mas por algumas dificuldades técnicas não foi possível – falta de wifi livre (só liberam para alunos e não exs como eu) e falta de tomada (testei várias numa das salas sem sucesso). É possível que poderiam ser contornadas com ajuda, mas apelei para o bom e velho papel e caneta.

Das palestras, assisti Empreendedorismo no Mercado de Eventos e Os Reis da Franquia.

Na primeira sobre eventos, falaram 2 empreendedores de perfis e históricos quase antagônicos, Ricardo Buckup da B2Eventos e Eberson Luis da Help!Bar. Ricardo é formado na própria FGV e começou a empresa junto com um colega da faculdade a partir de trabalhos que já desenvolviam na área, principalmente organização das festas da faculdade e eventos corporativos. Posteriormente, incorporaram uma sócia vinda de uma empresa de investimentos, a Votorantim Novos Negócios que estruturou business plan para a unidade de festas de formatura. Já Eberson não tem formação superior, foi ex-ator e maitrê e entrou no setor por necessidade, além de perceber que havia uma oportunidade para prestar serviços de bartender em festas. A B2Eventos realiza 250 eventos anuais nos segmentos corporativo, formaturas, festas universitárias e sociais, e a Help!Bar faz serviços de bar para grandes festas, em torno de 950 po ano, inclusive fora do país (Itália) e para personalidades (Athina Onassis, Gisele Bündchen, Paris Hilton, etc.).

Em termos de estratégia de crescimento, os 2 também caminham em sentidos opostos. A B2 quer cada vez mais produzir eventos criativos e personalizados sob medida para a necessidade dos clientes. Por outro lado, a Help! está padronizando seus serviços para que todos eventos produzidos saiam da mesma forma. Entende-se isso pelo fato da primeira ter foco em grandes eventos e festas, enquanto que a segunda busca escala e volume.

Em comum, persistência, amor pelo que fazem, coragem, busca de nichos de oportunidades e muito trabalho. Parabéns e muita boa sorte aos 2.

Depois desse post (Quer trabalhar no Google? Execute!) sobre o Fábio Ricotta, vou relatar uma outra experiências que tive. Em 1999, eu estava formado há menos de um ano e trabalhando na Accenture, quando abriu um processo de seleção na antiga Booknet (já com a GP como sócia e prestes a virar Submarino). No alto da minha segurança na época (ou arrogância) e antes mesmo da última fase, pedi demissão com a certeza de que seria aceito. Um belo dia recebi ligação da consultoria de RH informando que não havia passado para as entrevistas finais. Mesmo insistindo, não me disseram a razão e nem me deixaram falar com alguém da Booknet.

Além de estar sem emprego, eu achava que tinha o perfil adequado e queria de qualquer jeito trabalhar naquela empresa (apesar de nenhum dos meus colegas da faculdade saberem o que era esse site). Obviamente que não conseguiria falar com nenhum diretor se fizesse um cold call, então procurei outras formas de contato. Descobri no registro.br o email do CEO na época (sabia quem era por leitura anterior) para quem mandei uma mensagem relatando o caso. Fiz um brevíssimo histórico pessoal, insisti que tinha o perfil adequado e adicionei links de artigos que havia escrito sobre ecommerce para o antigo WebWorld (Vicente, cheguei a lhe contar essa história?) e perguntei qual era a estratégia que motivou a mudança de nome.

Recebi uma resposta do CEO informando que estava em NY levantando capital para a empresa e não poderia falar sobre o novo nome da empresa , mas que gostaria de conversar na volta. Fui no dia marcado (uma sexta-feira), fiz entrevisas com 3 diretores e no caminho para casa recebi ligação dizendo que deveria começar na segunda.

Conheça seu potencial, seja persistente, use ferramentas e tenha alternativas (um plano B sempre vai bem).

Fábio Ricotta é um estudante de computação de MG que quer trabalhar no Google. Enquanto outros apelam para métodos mais tradicionais (e são barrados), ele criou um blog chamado Eu Quero Trabalhar no Google. Você leitor deste site já deve ter lido sobre essa estratégia. Já escrevi sobre minha experiência nisso aqui (Crie um blog e consiga um emprego Parte 1) e aqui (Crie um blog e consiga um emprego Parte 2).

Como comentei no radinho, uma lista de discussão formada por profissionais de internet, TI e comunicação, gostei muito da postura pró-ativa do garoto. Só acho que ele deve expor mais seus projetos (tem alguns escondidos na página pessoal, em outro site). Se não tiver, desenvolva mais trabalhos próprios e coloque-os no ar. Ainda mais que ele é de TI… a internet está aí para isso.

Temos vários exemplos de jovens na internet brasileira que estão conseguindo mostrar na prática sua qualidade profissional e técnica com projetos muitas vezes pequenos, mas bem bolados e executados. Marco Gomes (boobox – teve repercussão internacional e ainda tem espinhas), Gilberto Jr (incansável com desta.ca, outrolado e w2br), Rodolfo Sikora (iJigg – já recebeu propostas de grandes players), Renato Shirakashi (Rec6 – que obteve reconhecimento por meio de investimentos de capital de risco), entre outros tantos. Sem falar nos blogueiros como Rafael Slonik (novo-MUNDOdeclarou faturamento de mais de R$ 4000 em Janeiro/2007 com seus blogs). Não sei se esses carinhas são técnicos, mas têm resultado para mostrar. Quem você contrataria?

Porém, compartilho da opinião de alguém do radinho que disse que o Fabio daria um bom publicitário. Até o momento atual, ele mostrou mesmo mais capacidade de marketing do que técnica. Eventualmente, ele tem mesmo esse perfil, mas se o objetivo for mesmo uma posição técnica, sugiro mostrar/linkar/descrever melhor os projetos ou mesmo transformar o que já tem no site pessoal em conteúdo desse blog. Está muito melhor do que meramente textos e videos pedindo emprego.

Para você que está procurando emprego, principalmente de nível universitário. Não deixe de ter um blog/site profissional linkando/mostrando seus projetos, mas se está pensando em montar um nos moldes (hard-sell) de EuQueroTrabalharNaX.com, seja criativo e bole uma outra idéia (principalmente se for na área de marketing/criação). Ele já ocupou o espaço de pioneiro e nessas estratégias quem marca mesmo é o primeiro.

Boa Sorte, Fábio!

Outras opiniões e menções:

. Ricotta no Google (Viu Isso?)

. Eu quero trabalhar no Google! (GoogleDiscovery)

. Quem não chora não mama (Contraditorium)

. Ele quer um emprego na Google (e quem não quer?) (Crash Tester)

. Fábio Ricotta quer trabalhar no Google (YabloG!)

Empregos na China

Dois links para quem procura na China. Visite os sites e candidate-se!

. Meijob, em Chinês e Inglês, empregos em qualquer área

. Danwei, em Inglês, com empregos nas áreas de comunicação, propaganda, tecnologia e entretenimento, como estas de webdesigner, coordenador de marketing e assistente editorial.

[publicado originalmente no Digital.Mundo.IN]

Terça e quarta serão ocupadas basicamente por palestras, entre elas A Globalização das Havaianas. Já na quinta e sexta serão as apresentações do concurso de business plan MootCorp Latin America, etapa latino-americana de uma das competições universitárias de planos de negócios mais tradicionais do mundo, organizada pela University of Texas. A equipe vencedora concorrerá na final internacional nos EUA com times do mundo todo pela premiação de US$ 100 mil, além da oportunidade de se apresentar a potenciais investidores.“(Continua…)

Não preciso nem falar para você da importância de se participar de uma competição como essa. Ganha-se em experiência, conhecimento, networking, além de poder adicioná-la ao seu currículo (especialmente se conseguir boas posições).

Continuação de: Crie um blog e consiga um emprego Parte 1

No primeiro post desta série, não estava me referindo exatamente à profissão de blogueiro, mas ao uso desse tipo de website para mostrar:

1) conhecimento e opinião sobre assuntos;

2) qualidade da redação e capacidade de persuasão;

3) postura mão na massa;

4) conhecimento e atualização sobre tecnologia;

5) capacidade técnica (principalmente se sua área for desenvolvimento ou criação)

Nada impede que você mantenha um blog que fale sobre sua vida pessoal, fotos, amigos, família, etc etc etc. Porém, se já tem essa experiência e disponibilidade de tempo, tente montar também um site (não precisa ser necessariamente um blog) sobre os assuntos profissionais que quer seguir (ou pelo menos se interesse). Mesmo que seja um estudante que ainda nem fez o primeiro estágio, será uma experiência incrível, onde poderá não só aprender, mas também conhecer outros profissionais e curiosos da área.

No caso que relatei, pude usar o iMarketing (avisei que é antigo e tosco) para 2 objetivos: a) mostrar o que conheço e b) gancho para conversa com a empresa.

Aliás, não foi só nessa vez que usei conteúdo online de minha autoria (blog ou artigos) como gancho para contato com profissionais que não tinha acesso. Mais, em novos posts.